Como iluminar cada ambiente do meu apê? Veja as dicas!

COMPARTILHAR:

Você sabia que a iluminação é um elemento fundamental tanto para a decoração como para a funcionalidade de um ambiente? 

Isso mesmo: para além de trazer mais luz aos espaços, cada tipo de luz ou de lâmpada possui um objetivo específico. Quando combinadas da maneira correta, cada cantinho do seu lar pode se tornar ainda mais eficiente, confortável e aconchegante.

Nós, da Stanza, queremos que a experiência com o seu apê seja sempre perfeita.

Por isso, preparamos um conteúdo bem completo, com dicas e outros pontos que você deve considerar ao projetar a iluminação do seu apartamento. Confira a seguir!

Posicionamento luminoso e tipos de luz

Antes de conversarmos mais profundamente sobre lâmpadas e luminárias, é preciso compreender alguns conceitos básicos da iluminação. Mas, pode ficar tranquilo, que isso não é nada muito complicado! Estamos falando das formas de luz existentes, de acordo com o seu posicionamento no ambiente, e as funções que elas podem adotar. 

Dê uma olhada:

1. Luz Direta

Chamamos de “luz direta” aquela em que o fluxo luminoso é direcionado para algum lugar ou objeto específico, gerando um ponto de destaque com iluminação bastante intensa. Abajures ou luminárias de mesa são excelentes exemplos de luz direta. 

2. Luz Indireta

A “luz indireta”, por sua vez, é aquela que consegue iluminar todo o ambiente de maneira uniforme, sem ser direcionada para um lugar específico. Para isso, as lâmpadas devem ser apontadas para espaços que gerem reflexo (como uma parede ou o próprio teto) e permitam que a luz se espalhe pelo cômodo.  

3. Luz Difusa

A “luz difusa”, por fim, é como se fosse uma combinação da luz direta com a indireta, mistura funcionalidade e decoração. Ou seja: a iluminação é intensa, porém é mais suave por ter um filtro. Assim, ela consegue ser homogênea e ainda valorizar os detalhes, além que o ambiente ganha mais conforto visual e aconchego.

Os modelos de luminária mais indicados para o seu apê

Agora, é a hora de aprender como esses tipos de luz podem ser combinados com as luminárias para criar o clima mais adequado para cada ambiente! Veja só:

1. Luminárias de Teto

Como o próprio nome sugere, as luminárias de teto são aquelas colocadas na parte superior de um cômodo. Elas permitem que o fluxo luminoso seja uniforme em todo ambiente, facilitando a utilização da luz indireta ou difusa. Alguns exemplos, bastante comuns e igualmente estilosos, são os plafons e os lustres.

2. Spots e Holofotes

Esses tipos de luminária possuem uma luminosidade mais direcionada, sendo indicados para quem pensa em utilizar a luz direta. Porém, quando apontadas para o teto ou para as paredes, os spots e holofotes permitem criar uma iluminação indireta super confortável no ambiente. Caso você deseje criar um efeito visual ainda mais interessante e fora do comum, experimente equipar os seus spots e holofotes com lâmpadas de diferentes cores!

3. Luminárias Pendentes

Muito utilizadas em ambientes que seguem um estilo contemporâneo de decoração, as luminárias pendentes podem iluminar os espaços de maneira uniforme e, ainda assim, provocar a formação de sombras estratégicas. Elas são opções excelentes para mesas de jantar, potencializando a sensação de acolhimento ao redor da mesa.

4. Arandelas

Com infinitas possibilidades de combinação decorativa, as arandelas são luminárias perfeitas para dar aquele “tcham” no ambiente. Em geral, os modelos mais comuns possuem o fluxo luminoso direcionado para cima e para baixo, proporcionando uma iluminação mais leve no cômodo. São ótimas para criar uma luz indireta no fundo do seu espaço, potencializando a aura de conforto empregada nele.

5. Luminárias de Piso

Você sabia que as luminárias de piso são ótimas peças de decoração? Como seu fluxo luminoso é mais leve, suave e agradável aos olhos, o ambiente pode se tornar mais confortável e intimista. É uma excelente pedida para salas de estar e bibliotecas com aquele ar aconchegante de cinema.

6. Luminárias de Mesa

Além de também servirem como item de decoração, as luminárias de mesa são ideais para trazer mais concentração para o seu quarto de estudos ou home office, já que permitem lançar uma luz intensa e direta no objeto escolhido (como um livro, por exemplo).

Atenção à temperatura da luz

De forma resumida, podemos dizer que as luzes possuem três temperaturas diferentes, de acordo com a sua cor e o efeito provocado no cérebro. São elas: 

1. Luz Quente

Composta por tons amarelos, suaves. Seu objetivo é proporcionar um clima mais aconchegante ao ambiente. Por isso, é ideal para o uso em salas de estar, jantar e dormitórios. Como o propósito é causar a sensação de calma, conforto e intimidade, não aconselhamos que a luz quente seja empregada em espaços como escritórios, nos quais é preciso ter bastante atenção aos detalhes.

2. Luz Neutra

Entre a luz quente e a luz fria, a luz neutra (novamente, tal qual o nome sugere) é o “meio termo” da temperatura. Suas tonalidades não são nem tão fortes e nem tão suaves.

3. Luz Fria

A luminosidade clara e forte da luz fria tende aos tons de azul. Muito comum em escritórios e ambientes corporativos, essa, sim, é ideal para quem precisa de concentração durante qualquer período do dia. Mas, aqui, vale o aviso inverso ao que fizemos quanto à luz quente: é interessante evitar o uso da luz fria e azulada em espaços como os quartos e salas de descanso, já que seu efeito pode atrapalhar um pouco o sono e o relaxamento.

E os modelos de lâmpadas?

Atualmente, o mercado oferece 4 tipos principais de lâmpadas: as incandescentes comuns, as halógenas, as fluorescentes e as de LED. Você já conhece as vantagens, contrapontos e aplicações ideais para cada uma delas? Confira!

1. Lâmpadas Incandescentes Comuns

Oferecendo uma iluminação mais próxima da natural, as lâmpadas incandescentes comuns são, em geral, as mais baratas. Em tons quentes e amarelados, essas lâmpadas costumam ser procuradas para conferir uma iluminação mais aconchegante aos ambientes.

Entretanto, sua vida útil não é muito longa, além disso, dentre as opções citadas, essa é a que mais consome energia elétrica.

2. Lâmpadas Incandescentes Halógenas

Muito utilizadas para a aplicação da luz direta, especialmente em spots, as lâmpadas incandescentes halógenas possuem uma eficiência e uma vida útil maiores do que aquelas observadas nas lâmpadas incandescentes comuns. 

Ainda em relação a estas, o tamanho das lâmpadas incandescentes halógenas é mais reduzido (facilitando a instalação) e a luminosidade é de alta intensidade, proporcionando brilho e vivacidade para a região iluminada. 

Porém, o nível de energia consumido por esse tipo de lâmpada ainda não é tão atrativo quanto o das lâmpadas mais tecnológicas, como as que veremos abaixo.

3. Lâmpadas Fluorescentes

As lâmpadas fluorescentes são bastante similares às incandescentes, com a vantagem de consumirem muito menos energia elétrica. 

Além disso, sua luz é mais forte, mas a luminosidade pode tender a tons mais brancos (neutros) do que amarelados. No mais, as lâmpadas fluorescentes apresentam uma excelente vida útil também, com uma duração média de 10 a 15 mil horas (mais de um ano de uso contínuo).

Elas são um pouco mais caras do que as lâmpadas incandescentes em geral, mas o custo-benefício acaba sendo bastante interessante.

4. Lâmpadas de LED

Mesmo que sejam consideravelmente mais caras do que as incandescentes e fluorescentes, as lâmpadas de LED fazem valer seu investimento a longo prazo. 

O seu consumo de energia pode ser até 80% menor do que aquele observado em uma lâmpada incandescente – e sua vida útil pode atingir as 20.000 horas (mais de 2 anos de uso contínuo). 

Além disso, modelos mais novos, conhecidos como “lâmpadas smart de LED”, permitem que você conecte sua lâmpada ao celular, através do Wi-Fi, e escolha qualquer cor e intensidade de luz para o seu cômodo. Isso abre um leque de possibilidades ainda maior para a decoração e a funcionalidade do seu apê!

Como aplicar tudo isso na iluminação do meu apartamento? 

Agora que você já está expert em iluminação, é o momento de aplicar esse conhecimento na prática! 

Ao longo do texto, já demos algumas dicas sobre como empregar cada tipo e temperatura de luz para tornar o seu cantinho ainda mais agradável. Que tal fazermos um resumo?

Para a iluminação geral do seu apê, prefira usar a luz indireta ou a luz difusa, com o auxílio de luminárias de teto e luminárias pendentes. Mas, caso você queira dar um toque a mais na decoração, recomendamos spots, holofotes, arandelas, luminárias de piso e luminárias de mesa. A luz direta pode acrescentar muito ao ambiente por conta da sua intensidade, mas a indireta também pode ser útil para espaços mais serenos.

Além disso, você lembra que cada tonalidade proporciona um efeito (ou “clima”) diferente? Pois bem: em locais mais confortáveis e intimistas, como o quarto, luzes de temperatura quente são as mais indicadas. Porém, se o assunto é concentração e atenção aos detalhes, como em escritórios, cozinhas e banheiros, aposte em luzes frias. Por fim, para locais como os corredores, não há muitas “regras” – mas a luz neutra pode ajudar a trazer a sensação de “lar”.

Uma inspiração a mais

Dê uma olhada no conteúdo que produzimos sobre tendências decorativas para 2022 aqui no #BlogStanza. Nele, você poderá conhecer os estilos de decoração que estão em alta para esse ano e imaginar cada espaço do seu Stanza ficando do seu jeitinho!

Ainda não escolheu um Stanza para chamar de seu?

Fale com a nossa equipe especializada e conheça os detalhes dos nossos lançamentos!

Ícone de E-mail

Cadastre-se e receba dicas
e novidades da Stanza

Este site usa cookies para fornecer a melhor experiência de navegação para você. Para saber mais, basta visitar nossa Política de Privacidade.
Aceitar cookies Rejeitar cookies